terça-feira, 12 de junho de 2012

o dia do Senhor - ao chegar ele repentinamente


É muito importante termos em mente e entendermos um termo bíblico associado ao Reino de Deus e a terminação do sistema de coisas.

'O dia do Senhor'

O dia do Senhor não se refere obviamente a um dia literal mas sim a um período de tempo em que o Reino Celestial de Jeová, por intermédio de Jesus qual Rei Davi-Maior passa a exercer domínio ou jurisdição sobre o mundo todo (Rev 11:15), Jesus começa assim a agir com sua Autoridade e Poder (Mateus 28:18) em todos os assuntos da terra.
Vale lembrar e salientar que Jesus já atua como Rei Reinante do Governo Celestial de Jeová desde o primeiro século EC, quando ao ser ressuscitado , ascendeu ao céus e passou a reinar à Direita de Jeová, seu trono. (Hebreus 1:8, 1 Cor 15:25, Rev 1:5, 1 Pedro 3:22)
Jesus, assim como Davi, passou a reinar sobre o Israel de Deus ou casa de Jacó (Lucas 1:32-33), na Jerusalém celestial , e passou a usar a sua autoridade na construção do Templo de cristãos ungidos (1 Cor 3:16 , Atos 15:15-18)


Assim o 'dia do Senhor' começa a partir do seguinte evento: o Reino de Jesus exerce jurisdição sobre a terra, ou seja, o Reino de Cristo está presente ou tendo alçada sobre a terra ou mundo.
Esse seria um dia muito esperado pelos cristãos, um período em que Jesus agiria de várias maneiras a favor dos cristãos e da humanidade em geral.

Por exemplo, o livro de Revelação retrata uma série de acontecimentos que ocorreriam durante esse 'dia' – durante o dia do Senhor:

Rev 1:10 'Por inspiração, vim a estar no dia do Senhor'
Assim o dia do Senhor engloba vários eventos, todos eles descritos no livro de Revelação e em outras profecias Bíblicas.
Por exemplo, durante o dia do Senhor ocorreria (ordem não cronológica):
  • a cidade santa seria pisada pelas nações (Rev 11:1,2)
  • Guerras , escassez de víveres , etc indicando o início da presença
  • O Julgamento da casa de Deus, 1 Pedro 4:17
  • a fera iria para o abismo e voltaria do abismo , seria constituído o Oitavo Rei. (Rev)
  • a Imagem da Fera e sua marca 666
  • Destruição de Babilônia, a Grande
  • Separação do Joio e do Trigo, os peixes excelentes dos imprestáveis (Mateus 13)
  • Armagedom (climax do Dia do Senhor)

O climax – a culminação do dia do Senhor é a batalha do Armagedom, onde Jesus por fim elimina toda forma de governo satânico – Rev 17:14

Mas, como dito anteriormente, o dia do Senhor, desde que ele inicia, envolve uma série de acontecimentos.

O apóstolo Paulo alertando os cristãos contra uma falsa presença antecipada de Cristo, deu a seguinte admoestação:

2 Tessal 2:1 No entanto, irmãos, com respeito à presença de nosso Senhor Jesus Cristo e de sermos ajuntados a ele, solicitamo-vos 2 que não sejais depressa demovidos de vossa razão, nem fiqueis provocados, quer por uma expressão inspirada, quer por intermédio duma mensagem verbal, quer por uma carta, como se fosse da nossa parte, no sentido de que o dia de Jeová está aqui.

Do texto acima, extraímos que o apóstolo Paulo equiparou à presença de nosso Senhor Jesus Cristo com o dia de Jeová.

Podemos identificar “o dia do Senhor” como 'o dia de nosso Senhor Jesus Cristo' ou mesmo 'o dia de Jeová', pois Jesus como Rei ungido por Jeová estará realizando durante esse período chamado “dia do Senhor” várias ações relacionadas ao propósito de Jeová

6 Pois estou confiante nesta mesma coisa, que aquele que principiou uma boa obra em vós a levará também a cabo até o dia de Jesus Cristo” - Filipenses 1:6
Mas lembre-se mais uma vez que Paulo associou 'o dia do Senhor' com a presença de nosso Senhor Jesus Cristo , isso porque a presença de Cristo significa em todo o seu período – desde o seu início, o tempo em que Cristo estaria presente como Rei sobre o mundo – sua nova jurisdição

Os cristãos desde os dias de Jesus, sempre almejaram saber, embora com perspectivas erradas – achando que seria um reino político humano - , quando se iniciaria a jurisdição do Reino de Deus por meio de Jesus sobre a terra.

Veja Lucas 19:11
11 Enquanto escutavam estas coisas, contou em adição uma ilustração, porque estava perto de Jerusalém e eles estavam imaginando que o reino de Deus ia apresentar-se instantaneamente.

Ou seja, eles pensaram (segunda a visão deles) que o dia do Senhor iria apresentar-se instantaneamente.

Abaixo, vemos um outro relato em que os discípulos ansiosos pelo “dia do Senhor”, perguntam sobre o seu início, quer dizer, o início daquele 'dia'.

Atos 1:6
6 Tendo-se eles então reunido, perguntavam-lhe: “Senhor, é neste tempo que restabeleces o reino a Israel?” 7 Disse-lhes ele: “Não vos cabe obter conhecimento dos tempos ou das épocas que o Pai tem colocado sob a sua própria jurisdição;

Durante o “dia do Senhor” o reino do mundo será dado aos irmãos de Cristo ,também chamados de “Israel” de Deus. (Rev 5:10)

Assim, percebemos que os discípulos ainda com expectativas erradas, a saber: achando que de alguma forma o reino de Deus seria político para o Israel carnal, os discípulos perguntam se havia enfim , após a ressurreição de Cristo, chegado o reino, ou seja, o dia do Senhor.

Jesus dá a seguinte resposta abaixo, tendo em mente o Reino celestial, referente a saber o tempo de quando viria o Reino dos céus sobre a terra:

'Não vos cabe obter conhecimento dos tempos ou das épocas que o Pai tem colocado sob a sua própria jurisdição ' - Atos 1

Ou seja, Jesus disse que não caberia aos cristãos conhecer os tempos ou épocas em que viria o Reino de Deus por meio de Cristo sobre a terra ou dia do Senhor , esse seria um “dia” que o Pai Jeová tem colocado sob a sua própria jurisdição.

Jesus apenas admoestou os cristãos a orarem: “Venha o teu Reino” - Mat 6:9
Seria o mesmo que dizer: “Vem nosso Senhor!”

Em harmonia com as palavras acima , Jesus ao falar de sua presença (Mateus 24:3 , compare com 2 Tessal 2:1) faz a seguinte afirmação em Mateus 24:36 -
Acerca daquele dia e daquela hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, mas unicamente o Pai.

Ou seja, o dia do Senhor – o tempo em que Jesus começaria a agir qual Rei sobre a terra estaria sob a jurisdição de Jeová, ninguém mais saberia, nem os anjos, nem o próprio Rei Jesus, o Filho.

Com todos esses textos acima, Jesus quer dar a conhecer a noção de aleatoriedade ou “indeterminação” que seria “o dia do Senhor” ou a presença de Cristo desde seu início. O “dia do Senhor” não seria um evento determinístico.
O “dia do Senhor” seria a terminação ou a conclusão de um sistema de coisas, envolvendo vários acontecimentos , desde o julgamento da casa de Deus, seu Refino e o julgamento do mundo culminando no Armagedom. Todas as profecias que tratam das coisas que ocorrem durante “a parte final dos dias” , “os últimos dias” , “a terminação do sistema” - todas elas tratam dos evento que ocorrerão durante “aquele dia” - o dia do Senhor.

'Portanto, mantende-vos vigilantes, porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor.' - Não sabeis quando iniciará o “dia do Senhor” e tudo o que está associado a ele.

Por isso é que são tão oportunas as palavras abaixo:

Tiago 5:7,8
' Portanto, exercei paciência, irmãos, até a presença do Senhor. Eis que o lavrador fica esperando o precioso fruto da terra, exercendo paciência com ele, até que venha a chuva temporã e a chuva serôdia.
8 Vós também exercei paciência; firmai os vossos corações, porque se tem aproximado a presença do Senhor. [ou dia do Senhor – seu Reinado]'

2 Pedro 3:12
12 aguardando e tendo bem em mente a presença do dia de Jeová, pelo qual [os] céus, estando incendiados, serão dissolvidos, e [os] elementos, estando intensamente quentes, se derreterão!

Filipenses 1:10
10 que vos certifiqueis das coisas mais importantes, para que sejais sem defeito e não façais outros tropeçar, até o dia de Cristo.

Note que o dia de Jeová ou dia de Jesus são exibidos como o momento na linha do tempo em que um estado ou processo muda de estágio (conforme indicado pela preposição “até” ).

Quão apropriadas são as palavras de Jesus:

33 Persisti em olhar, mantende-vos despertos, pois não sabeis quando é o tempo designado. 34 É semelhante a um homem que viajou para fora e deixou a sua casa, dando autoridade aos seus escravos, a cada um o seu trabalho, e ordenou ao porteiro que se mantivesse vigilante. 35 Portanto, mantende-vos vigilantes, pois não sabeis quando vem o senhor da casa, quer tarde no dia, quer à meia-noite, quer ao canto do galo, quer cedo de manhã; 36 a fim de que, ao chegar ele repentinamente, não vos ache dormindo. 37 Mas, o que eu vos digo, digo a todos: Mantende-vos vigilantes.”


Leia também a dissertação que defende o conceito de uma Futura Parousia 

Nenhum comentário: